AmericanIdol-NEWS03

Mesmo com queda de audiência, American Idol continua trazendo lucro para a FOX

Apesar dos novos jurados Nikci Minaj, Mariah Carey e Keith Urban, os índices de audiência do American Idol 2013 continua caindo. Mesmo assim, o programa ainda faz muito dinheiro para a FOX, descartando um possível cancelamento.

Os produtores do reality quiseram reforçar um quadro dramático na classificação para a nova temporada do show, incluindo três grandes estrelas no painel de jurados e votação online de até 50 votos para o público.

AmericanIdol2013-NEWS

Essas alterações não ajudaram bastante, pois a temporada 2013 caiu cerca de 18% em relação aos outros anos. Em 2006, a edição do Idol chegou a ter o dobro da atual como média geral. E as quedas estão mais preocupantes entre os telespectadores entre 18 e 49 anos, grupo que os anunciantes mais querem chegar.

Analistas enxergam que vários fatores são responsáveis pelo declínio, incluindo que o público pode estar se cansando do formato do show – que está no ar há mais de uma década – e com o excesso de shows musicais rivais, tanto em emissoras concorrentes quanto na própria (leia-se The Voice, The X Factor, The Sing-Off).

idolMas em se tratando de lucro, o American Idol ainda acrescenta – e muito – para a emissora. Para os anunciantes, o show se tornou o mais caro da televisão americana, com comerciais de 30 segundos custando mais de 700.000 mil dólares durante a sétima temporada. Mesmo com a queda do ano passado, o programa arrecadou mais de 800 milhões de dólares em publicidade sozinho, segundo fontes.

Especialistas ainda concordam na questão de fadiga dos telespectadores, mas a FOX tem agravado o problema, dedicando enormes espaços de sua grade para concursos de canto que compartilham da mesma linhagem como o já citado The X Factor, que é também é produzido e transmitido na própria FOX.

Ambos os jurados dos dois shows chegaram a custar muito para que o retorno fosse maior, mas parece que isso não vem acontecendo, principalmente na repercussão do programa. Isso põe a interrogação de como será o futuro dos reality shows musicais nos Estados Unidos e, consequentemente, no mundo.