Idol.News1

American Idol é acusado de racismo por Ex-Participantes

Nove ex-participantes negros do American Idol, de várias temporadas,  estão se unindo para processar o reality musical alegando que foram obrigados a deixar o programa como parte de uma ação racista para aumentar a audiência do programa. O advogado dos participantes, James H. Freeman, enviou uma carta a Comissão de Oportunidades Iguais de Empregos dos Estados Unidos em nome dos seguintes candidatos: Corey Clark (2ª Temporada), Jaered Andrews (2ª Temporada), Donnie Williams(3ª Temporada), Terrell Brittenum (5ª Temporada), Derrell Brittenum (5ª Temporada),Thomas Daniels (6ª Temporada), Akron Watson (6ª Temporada), Ju’Not Joyner(8ª Temporada) e Chris Golightly (9ª Temporada).

Idols-blackFreeman diz em sua carta que percebeu algo suspeito sobre o “Idol” quando Jermaine Jones foi expulso na 11ª Temporada. Na época os produtores alegaram que Jermaine não os informou sobre os mandatos de prisão dele. O advogado conduziu uma investigação e descobriu que o show só desclassificou publicamente nove pessoas desde que o programa foi ao ar pela primeira vez, e todos eram negros.

De acordo com a carta, Freeman diz que “esquema” começa quando os produtores vão procurar sobre a vida dos candidatos perguntam para eles: “Você já foi preso alguma vez?”. Segundo o advogado, isso fere a lei de trabalho dos Estados Unidos, pois os participantes estão se aplicando para um “emprego” dentro do programa e isso é proibido.

A carta ainda diz que o programa fez parecer que seus clientes fossem “criminosos violentos, mentirosos e maníacos sexuais“, quando não eram. Também de acordo com Freeman, nenhum dos concorrentes que foram desqualificados do show com base em seus antecedentes criminais foram condenados por crimes pelos quais eles foram cobrados no momento da sua desqualificação, ele acrescenta “No entanto sua vidas pessoais e profissionais foram severamente prejudicadas por causa do programa“. A carta é o primeiro passa para uma ação judicial e assim que receber sinal verde do EEOC, agencia que cuida de discriminação no local de trabalho, ele irá arquivar os documentos no tribunal.

O produtor Nigel Lythgoe, quando questionado pelo assunto disse que está “chocado” e que as alegações são “ridículas“, ele disse: “Nós tratamos todo mundo igual, não importa raça, religião ou sexo. Eu acho que nós sempre tivemos no programa uma participação de pessoas negras e brancas com talentos fantásticos, nunca vi racismo no show”. A FOX não quis comentar sobre o assunto.