S13E22

American Idol XIII: S13E22 – Top 9 Performances

IdolTop9Nesta Quarta (26/03) às 21h na FOX dos Estados Unidos, tivemos as apresentações do TOP 9 do American Idol XIII, sob o comando do veterano Ryan Seacrest e com Keith Urban, Jennifer Lopez e Harry Connick Jr no painel de jurados desta edição.

O tema das performances desta semana no programa é “(I’m With The) BAND!“, ou seja, os candidatos atuarão como vocalistas para Rickey Minor e sua banda, tocando suas músicas favoritas. E durante e ao término das apresentações, os finalistas do programa serão julgados pelo público presente na platéia e em casa, que votam na internet e por telefone para deixarem seus favoritos no show. O resultado da votação será anunciado na noite desta Quinta (20/03), quando um dos participantes deixará a competição. Pra quem vai sua torcida?

Deixem suas opiniões e aproveitem para ver (e rever) os principais momentos do show nos players abaixo! Quem vai ser eliminado? Quem serão os finalistas? Quem será o novo American Idol? Venha acompanhar conosco toda jornada em busca de uma nova estrela, seguindo nossos perfis no Twitter (@AmericanIdolBR) e no Facebook (facebook.com/AmericanIdolBR). Lá, estaremos divulgando os links que transmitem o show, além de poder conversar com outros fãs do programa. THIS IS AMERICAN IDOL!!!

MELHORES MOMENTOS

Group Performance – Rock Medley

Alex Preston – Don’t Speak (No Doubt)

Tiagão: A apresentação do Alex me fez desgostar um pouco menos dessa música, que acho extremamente chata. Já disse em comentários anteriores que ele é o mais correto e linear dentro da competição. Hoje não foi diferente. Música conhecida, com uma sonoridade diferente e um bom vocal. Gostei do começo e mais uma vez senti que o refrão perdeu força. Acho que já chegou o momento do Alex trazer algo novo para suas apresentações, pois ta caindo aos poucos na armadilha de ser repetitivo toda semana.
Maira: Fiquei com imprensão de que a música começou meio do nada. No geral, até gostei da sonoridade, exceto no refrão, que penso não ter funcionado muito bem, mas acho a letra dessa música extremamente carregada emocionalmente e não pude deixar pensar que o arranjo acabou prejudicando esse elemento, assim como da interpretação dele. Enfim… acho que será uma questão de gosto, porque não chegou a ser ruim, mas pessoalmente, foi uma das versões dele que menos gostei.
Laura: Concordo muito com Maíra sobre a questão da carga emocional da música, que é muito forte na original e se perdeu nessa… Pode-se falar que esse não é o foco do Alex, mas a ideia é ousar e buscar desafios no programa e essa apresentação não me pareceu chegar nisso. O arranjo é legal mas achei parecido com um de semanas atrás. Foi tudo correto, mas só… O Alex foca muito nos arranjos diferentes pra mostrar originalidade, mas falta pensar também em tom de voz e versatilidade nesse sentido.
Rich: Não tenho mais o que falar do Alex, ele faz tudo para o estilo dele bem direito, tanto que não largará nunca esse violão, já faz parte do corpo né? Uma crítica que posso fazer é que as partes onde acrescentava um “daridadoudou…”. De resto foi bem “Alex” mesmo.

Majesty Rose – Shake it Out (Florence + The Machine)

Tiagão: Não foi o desastre que eu estava prevendo. O começo estava ótimo, casando perfeitamente com a voz dela. Contudo, ela já demonstrou que tem muitas dificuldades em notas mais altas. As partes altas da música soaram estranhas, me pareceu um pouco gritado. Presença de palco dela essa semana foi perfeita, a interpretação correta. Só achei que o final acabou do nada, ninguém esperava. Se formos comparar essa apresentação com as de semanas anteriores, já poderemos glorificar de pé pela melhora. O grande problema dela são as escolhas de música, falta orientação. É só pegar as escolhas e veremos que ela praticamente saiu atirando para todos os lados. Se perdeu completamente
Maira: Depois de dois bottons consecutivos, ela precisava vir arrasando, mas se não foi o desastre das semanas anteriores, também não acredito que tenha sido o bastante. Apesar de que essa música poderia ter sido bem apropriada vocalmente por ela, houveram alguns erros de execução e, francamente, um arranjo que não me convenceu nem um pouco. Não que seja preciso se prender às versões originais (pelo contrário), mas Florence interpreta essa música com tanta profundidade que chega a se tornar sombria… na minha opinião a interpretação de Majesty foi apenas qualquer coisa. Não me surpreenderei se ela sair amanhã.
Laura: Estou numa situação com a Majesty que quando leio a song choice já fico com medo. Se ela tivesse ido bem toda semana eu acharia isso bom. Mas na situação dela no programa, com dois bottoms e cheia de apresentações mais ou menos isso aí não é o bastante. Ela precisa do algo a mais pra poder se recuperar na competição… será que ainda dá tempo? Pelo menos foi a melhor dela em tempos.
Rich: Ache o começo bem interessante, tava animado pelo resto, mas pareceu que ela perdeu até o fôlego em algumas partes aí e não soube lidar com o desenvolvimento da música. Majesty não vem de boas semanas, não conquistou um público fiel e que vote. Outra coisa que incomodou foi subir as notas, boa parte ficaram “gritadas”.

Dexter Roberts – Boondocks (Little Big Town)

Tiagão:
Não foi horrível e nem me deu vergonha alheia como na semana passada. Foi correto, muito por conta da boa escolha de música dessa semana. Mas é aquela coisa: ele é tão qualquer coisa, tão inexistente, tão genérico, tão cantor de barzinho, que conto os dias pra sair logo desse programa. Mas acho que essa escolha de música pode manter ele no programa. Vamos aguardar.
Maira:
Por falar em sair amanhã! rs Essa música é ótima. Eu li algumas críticas dizendo que ele havia feito uma performance correta, mas se você escutar uma apresentação de Little Big Town com essa música, a única conclusão que chegará é como ele é um cantor FRACO. Sinceramente, estou cansada de repetir a mesma coisa toda semana, mas aí vai: bland-genérico-cantor-de-cover-fraco-que-vai-tarde.
Laura: Já deu né? O tempo dele no programa acabou antes dos lives. Ele nunca vai ser mais que um cantor de cover de bar e Maíra disse tudo quando falou que se você assiste a original isso é apenas fraco e você vai rir de Dexter no palco.
Rich: Nossa, achei bem qualquer coisa, uma das mais fracas dele e foi muito amador, muito casa de show falida. O que Dexter tinha que fazer no programa já fez, porque não tem como fazer nada além disso.

Malaya Watson – Long and Winding Road (The Beatles)

Tiagão:
Falta experiência pra ela, isso já ficou claro. Passar um ano em casa e decidir o que realmente quer seguir na carreira musical seria ótimo para Malayão. Enfim, ela não tem bagagem para poder cantar músicas tão grandes e talvez por isso passe do ponto durante suas apresentações. Ela exagera e faz caras e bocas desnecessárias que fazem com que suas apresentações beirem ao cafona. Se fosse no Raul seria aplaudida de pé rsrs.
Maira:
Ai.meu.Deus… como essa menina escolhe música mal! Prova apenas de quão despreparada está. Quando não é Bruno Mars, vai pra algum arranjo datado com direito a todos os gritos do mundo, mas sem nenhum controle vocal. Tive que reassistir pra entender o motivo dos elogios dos jurados e a única coisa que consegui foi quase dormir de tédio pela segunda vez.
Laura: Essa menina precisa de uma boa sessão de mentoramento, já que Randy só serve pra dar tapinha nas costas do povo. Achei até interessante essa escolha, mas quem ela é? Ou quem quer ser no mercado musical? Eu acho que nem ela entende muito bem e isso reflete nas escolhas musicais… Isso foi chato, datado e em nada refletiu a personalidade dela.
Rich: Vixe, em que ano voltamos para ter uma apresentação assim:? Olha a postura dela toda de old diva e isso não é um elogio. Se a música fosse cantada sem ser tanto essas paradinhas e um arranjo melhor teria um efeito melhor, mas não deu, foi boring, uma pena para a Malaya.

Sam Woolf – Hey There Delilah (The Plain White T’s)

Tiagão:
Foi correto. Ele não tem erros gritantes, mas também não consegue fazer nada espetacular. Vai ser assim até quando as tias do sofá de lá quiserem. Aqui seriam as “xanas ouriçadas”, lá são as tias do sofá. Ok, isso foi desnecessário rsrsrs. Gostei da escolha, ele levou bem, foi correto. Fica chato pra gente que comentar toda semana que ele não deveria estar ai, mas enfim.
Maira
Tirando a apresentação de semana passada, que foi a melhorzinha do Sam até então, ele ainda não havia mostrado nada de interessante nos lives. Considerando isso, eu até curti essa apresetação. Duvido que lembre dela amanhã, mas a levada desse arranjo com staging e tudo mais acabaram resultando exatamente no que imaginava para ele.
Laura: Sam tem provavelmente as escolhas mais obviamente ‘cantor amador que toca violão’ que eu já vi. Ele foi correto e só… As apresentações necessitam de ousadia e um desafio, mas ele sempre cai na mesmice e nunca surpreende. Não tem como sobreviver na competição assim…. Mas ele é fofo e bonitinho então tá indo.
Rich: Adoro essa música *-* por isso me ganhou um “poquinho” só, ouvirei até a versão em estúdio porque sou desses :) Pena que no dia que ele tentou de fazer algo diferente disso foi ao Bottom, justifica ficar nessa linha, que esse ano tá em excesso, o que deixa o programa um tédio enorme.

Jessica Meuse – Rhiannon (Fleetwood Mac)

Tiagão:
Finalmente tirou o vilão, mas poderia ter se soltado mais no palco. Eu até deixaria ela ir na frente pegar na mão das avulsas, já que sempre fica plantada com sua viola. Foi uma boa escolha e não sei se é preguiça ou arranjo ruins, mas a menina tem um vocal que pode ser melhor explorado. Eu por incrível que possa parecer, senti ela confortável essa semana, não passou tanto medo e insegurança. Foi legal, o que já alguma coisa pra ela.
Maira:
Pra mim, essa semana Jessica tinha uma enorme possibilidade de se recuperar das escorregadas das últimas apresentações e é inegável que foi BEM superior, embora não tenha feito nada extraordinário. Senti que ela estava bem mais confortável sem o nervosismo de acertar o violão com a banda ou ter transmitir algum sentimento que não estava ali. A única coisa que me incomodou um pouco foram os backing vocals, mas no geral, foi uma boa apresentação.
Laura: Amo essa música demais, então já estava animada quando vi. Acho que foi uma boa versão, mas ela continua com problemas no sentido saber se portar no palco. Acho que ela consegue ser melhor nesse sentido quando tá segurando o violão, dá uma disfarçada. Mas no geral foi uma apresentação ok, sem nenhum momento especial ou algo que destaque. (Mas ela devia repensar esse cabelo rosa, ela não é uma cantora punk perdida em 2005)
Rich: Uma performance sem muito destaque, apenas focada em fazer “direito” para não correr riscos, que é o que vem fazendo desde o Top 13, aparentemente não fará nada arriscado, ficará só nisso. Que é o problema de mais da metade desse Top 9.

CJ Harris – If It Hadn’t Been For Love (The Steel Drivers)

Tiagão:
Então, Chico. Tipo assim. Já deu cara. Eu tentei te entender e te apoiar em uma semana ai atrás, mas ta difícil. Bom, CJ sempre faz a mesma coisa em suas músicas. Chega a ser mais descarado que o Alex. Uma coisa me irritou muito essa semana: esse ataque desnecessário que ele faz com a voz durante toda a música. Não sabe mesclar suavidade e partes mais fortes. É sempre rouco, sempre forçando demais. Poderia sair junto com o Dexter. Cadê eliminação dupla?
Maira:
Essa música até é apropriada para o timbre dele, porém cadê originalidade e, principalmente, cadê afinação?! Achei que foi muito qualquer coisa, extremamente previsível e cheio de falhas técnicas.
Laura: Outro que já deu. Não sei porque entrou no top, não sei o que ainda ta fazendo aí. Nunca faz versões muito diferentes, nada especial… Não queria ser obrigada a assistir isso.
Rich: Se tem uma coisa que não entendo é ele ainda estar na competição, mas o que eu não entendo MESMO é nem ao Bottom ir. Ele faz de maneira fraca o que Sam, Alex e Dexter fazem, que alguns aí até derrapam vez ou outra, então reflitam que ele faz tudo muito “amador” e que não gera nenhum destaque, fica apena mais uma apresentação no meio de tantas mornas.

Caleb Johnson – Dazed and Confused (Led Zepplin)

Tiagão: Caleb não vai fazer sucesso, mas nem os ganhadores estão fazendo rsrsrs. Isso serve de consolo pra ele. O programa precisa dele, precisa desse tipo de apresentação. É o tipo de performace que te deixa ligado e vibrando quando assiste. Deu um verdadeiro show!. Fez tudo que o estilo pediu, sem exageros, sem extrapolar. Caleb vem ganhando minha simpatia e hoje tá fazendo por merecer uma vaga no top 3 desse ano.
Maira:
Essa era a semana dele, né?!rs E realmente foi! Arrasou. Quebrou tudo. Zerou o live. Não costumo elogiar muito o Caleb, mas dessa vez pareceu uma apresentação em um show da banda dele. Ele pode até não se mostrar comercial no futuro, mas não há o que falar sobre a consistência que tem apresentado no programa.
Laura: Caleb não vai fazer sucesso no mainstream musical mas esse programa precisa dele. Ele sempre faz apresentações intensas, sempre tem algo diferente… ele efetivamente tenta mostrar versatilidade na voz. Isso ai foi uma delicia de assistir e ouvir. O programa precisa disso e acho que ele arrasou hoje.
Rich: Ainda bem que temos o Caleb na competição – quem diria que eu falaria isso hein? Ele vem e faz o estilo diferente da moda de viola e baladinhas em excesso que esse programa tá nesse ano. Foi muito bem, foi muito bom.

Jena Irene – Bring Me to Life (Evanescence)

Tiagão:
Quando Jenão escolhe a música certa, sai de baixo. Logo no começo eu pensei que ela não fosse dar conta dos tons mais altos. Mas ela super deu conta do recado. Voz casou muito bem com o estilo, com a música. Ótima presença, ótima interpretação e teve fôlego pra chegar no final. O programa tanto vem fazendo pra um violeiro ganhar essa temporada, mas por ironia do destino dois participantes com estilo mais rock estão fazendo as coisas mais interessantes dessa temporada. São apresentações como essa da Jena ou a do Caleb, que me fazem recordar dos bons tempos vividos pelo American Idol, onde toda semana éramos presenteados com ótimas apresentações e ficávamos na espectativa da próxima.. CAMPANHA JENÃO E CALEB NA FINAL!
Maira:
Jena já é, sem dúvidas, minha favorita na competição! Apresentação simplesmente de tirar o fôlego, esbanjando presença de palco, atitude, vocais maravilhosos e bem distintivos. Acredito que o negócio com ela seja apenas selecionar bem as song choices e continuar no caminho certo, porque está claro que rock é gênero em que ela brilha como artista. Melhor dela no programa. Melhor da noite junto com Caleb.
Laura: A maior qualidade da Jena é que ela não fica complacente nas escolhas. Com o sucesso da música original ela poderia ficar lá cantando baladinhas no piano toda semana. Mas não, ela quer mostrar serviço e faz escolhas interessantes sempre com forte apelo vocal, a maior força dela. Tem evoluído muito na competição, mostrado versatilidade, força vocal, presença de palco… Melhor da noite e te deixa animado pra ver o que vem por aí.
Rich: Adorei! Deu um tapa na cara do tédio do programa e ainda encerrou muito bem a noite, aponto como sua melhor performance até agora e finalmente tomando um rumo, tem que fazer essas coisas para mostrar que não é do violão, mas tem seu respeito. Se sair na quinta é porque querem mesmo afundar o show.